1

A ONG internacional vitoriosa

MELBOURNE – Tem ficado bem claro que muitos actores não-estatais têm mais influência na formulação de políticas internacionais do que um grande número de Estados soberanos. Ninguém duvida do impacto que grandes corporações multinacionais e organizações terroristas podem ter, para o bem ou para o mal. Mas o papel de um número de organizações não-governamentais internacionais (ONGI) tem sido mais significativo do que é geralmente reconhecido; e o que faz funcionar bem o que de melhor elas têm é digno de ser explorado.

De acordo com as estimativas actuais, existem cerca de 40 mil ONG a operarem internacionalmente, com a esmagadora maioria a concentrar-se principalmente na saúde, na educação, no bem-estar, na economia, na indústria, na energia, no ambiente, nos direitos humanos, na política social e nas questões relacionadas com a governação e o desenvolvimento. Um número muito menor – umas cem na melhor das hipóteses – trabalha principalmente em questões de paz e segurança, embora algumas organizações focadas essencialmente nos direitos humanos, como a Human Rights Watch e a Amnistia Internacional, sejam aqui influentes.

Aquelas que procuram influenciar os resultados da política externa podem ser estereotipadas, talvez indelicadamente, como “pensadoras”, “faladoras” ou “empreendedoras”. Por outras palavras, elas tendem a ser puras equipas de especialistas, instituições de investigação ou fóruns de política (como a Chatham House de Londres, o Council on Foreign Relations, em Nova Iorque, ou a Brookings Institution, em Washington, DC); organizações de defesa focadas esmagadoramente nas campanhas (como a Human Rights Watch, a Enough, a Kony 2012 ou a Global Zero); ou organizações operacionais baseadas no terreno, que actuam no terreno, envolvidas em actividades como a mediação, a fomentação das capacidades e da confiança (como a Search for Common Ground, a Community of Sant’Egidio ou a Independent Diplomat).

A organização com a qual eu estive mais tempo e mais estreitamente relacionado, a International Crisis Group (ICG), é uma combinação incomum das três categorias. É baseada no terreno da mesma forma que muitas organizações operacionais são, mas que as equipas de especialistas e as organizações de defesa não são. Centra-se, tal como as equipas de especialistas orientadas para a política fazem, na análise de conflitos complexos e de potenciais conflitos em todo o mundo e na identificação de soluções viáveis. Faz campanhas para a adopção destas soluções, mas menos com os militantes de base e mais através do acesso directo aos governantes de alto nível.