Industrial chimneys.

A insensatez dos combustíveis fósseis

BERLIM – Para evitar uma catástrofe climática, teremos de renunciar à combustão de quase 90% das reservas comprovadas de carvão, a mais de um terço do petróleo e a metade das reservas de gás natural. No entanto, em vez de aplicarem políticas com vista à concretização deste objectivo, os governos continuam a subsidiar o sector dos combustíveis fósseis e a utilizar os escassos recursos públicos para procurar novas reservas. Esta situação tem de mudar o quanto antes.

A fim de contribuir para esta mudança, a Fundação Heinrich Böll e a ONG Amigos da Terra Internacional compilaram dados-chave sobre a indústria do carvão no Atlas do Carvão recentemente publicado. Os números são impressionantes.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional, no corrente ano, os subsídios após impostos para o carvão (incluindo danos ambientais) atingiram 3,9% do PIB mundial. Estima-se que os países do G20 gastem mais de 88 mil milhões de dólares por ano em subsídios para a descoberta de novas reservas de combustíveis fósseis. Além disso, num relatório recente o Natural Resources Defense Council, o Oil Change International e o World Wide Fund for Nature (WWF) revelaram que entre 2007 e 2014 os governos investiram mais de 73 mil milhões de dólares (ou seja, mais de 9 mil milhões de dólares por ano) de fundos públicos em projectos associados ao carvão. No topo da lista figuravam o Japão (20 mil milhões de dólares), a China (aproximadamente 15 mil milhões de dólares), a Coreia do Sul (7 mil milhões de dólares) e a Alemanha (6,8 mil milhões de dólares).

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/IATi3Nd/pt;