American dollar cut into shape of the United States

De quem era, afinal, o AQ?

CAMBRIDGE – Entre 1913 (quando a Reserva Federal dos Estados Unidos foi fundada) e o final da década de 1980, seria justo dizer que a Fed era a única saída quando o assunto era compras de títulos do Tesouro dos EUA por bancos centrais. Durante essa época, a Fed era proprietária de cerca de 12% a 30% dos títulos do Tesouro negociáveis (ver figura), com o pico do pós-Segunda Guerra Mundial no horizonte à medida que a Fed tentava sustentar a queda da economia dos EUA após a primeira subida em flecha dos preços do petróleo, em 1973.

Já não vivemos nesse mundo centrado nos EUA, onde a Fed era a única saída e as mudanças na sua política monetária influenciaram fortemente as condições de liquidez internas e, em grande medida, a nível mundial. Anos antes da crise financeira global - e antes de o termo “AQ” (alívio quantitativo) se tornar um elemento fixo do léxico financeiro - os proprietários de títulos do Tesouro dos EUA dos bancos centrais estrangeiros começaram a alcançar e depois a dominar a parte da Fed.

A compra de títulos do Tesouro dos EUA por bancos centrais estrangeiros começou realmente a ter sucesso em 2003, anos antes de a primeira ronda de alívio quantitativo, ou “AQ1”, ser lançada no final de 2008. Os bancos centrais estrangeiros estavam a cargo do Banco Popular da China - vamos chamá-lo de “AQ0”. Em 2006 (no pico da bolha imobiliária dos EUA), instituições oficiais estrangeiras detinham cerca de um terço do stock de títulos do Tesouro dos EUA disponíveis, cerca de duas vezes a quantidade detida pela Fed. Na véspera do AQ1 da Fed, essa parcela situou-se nos cerca dos 40%.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/msyNkII/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.