Um Orçamento Melhor para a UE

BRUXELAS – Impedir o declínio económico da Europa e ultrapassar a sua crise de competitividade exigirá soluções radicais. Mas os líderes da União Europeia permanecem agarrados a prioridades antigas – uma falta de visão evidente nas negociações sobre o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) da UE para 2014-2020.

Mais uma vez, os interesses nacionais de curto prazo sobrepõem-se à necessidade de um orçamento para a UE que seja inovador, flexível e eficiente. O Parlamento Europeu, que pela primeira vez deve aprovar o QFP, deveria usar a sua nova influência para apoiar o interesse público genérico da UE e compensar os interesses míopes e instalados dos estados membros individuais.

Num clima de restrição orçamental, é pouco surpreendente que o Conselho da Europa tenha concordado este ano em reduzir o orçamento da UE em 3,4% relativamente ao QFP de 2007-2013. Mas, com a austeridade sob fogo e os países da UE a perspectivar um encorajamento da despesa, o Conselho deveria considerar também a estrutura do orçamento, e garantir que o QFP não dificulta o crescimento e o investimento futuros.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/jscVac9/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.