A responsabilidade de proteger os migrantes

CORK – Os migrantes enfrentam inúmeros perigos. As máfias viciosas fazem-nos penetrar ilegalmente nas fronteiras, sem a mínima preocupação pelas suas vidas. Recrutadores gananciosos extorquem os rendimentos destas pessoas. Empregadores abusivos exploraram a sua mão-de-obra. E, acrescentando o insulto à injúria, o sentimento anti-imigrante corrói a vontade política de enfrentar estes desafios.

No entanto, quando se trata de proteger o bem-estar e os direitos da população migrante, abundam as práticas inteligentes - e estas deviam ser promovidas de forma mais abrangente e implementadas com maior frequência. Estando o número de migrantes internacionais em vias de quase duplicar nas próximas décadas, estas práticas devem tornar-se pontos de referência para a acção.

A situação dos migrantes é particularmente trágica quando decorre de um conflito violento, como é o caso na Síria e na Líbia, ou de catástrofes naturais ou provocadas pelo homem. Em situações de crise como estas, a vida e a segurança física dos migrantes está comprometida, não por culpa própria. No entanto, o mundo não dispõe de orientações claras sobre a forma de os proteger.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/vQ5GNtR/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.