Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

cunliffejones1_MihajloMaricicGettyImages_journalistwritingmicrophones Mihajlo Maricic/Getty Images

Como a verificação de factos pode vencer a luta contra a desinformação

JOANESBURGO – Segundo os verificadores de factos do Washington Post, o presidente dos EUA, Donald Trump, fez mais de 13 000 alegações falsas ou enganadoras desde que tomou posse. Não é de admirar que algumas pessoas duvidem de que a verificação da veracidade das alegações de políticos seja uma resposta para os problemas desta era da desinformação.

Quando políticos e jornalistas da Europa, das Américas, da África e da Ásia se reuniram em Londres para a Conferência Global para a Liberdade de Imprensa em Julho, reconheceram que a ascensão da desinformação contribuiu para o decréscimo da confiança do público nos políticos e nos meios de comunicação. Mas não se prevêem soluções eficazes. Quando os membros da elite política e empresarial da Europa se reuniram no mesmo mês para a conferência Les Rencontres Économiques d’Aix-en-Provence 2019, também eles viram poucas opções para renovar a confiança.

Mas isso não significa que não existam. Como líderes ou fundadores de organizações de verificações de factos em África, na América Latina e na Europa, sabemos que o nosso trabalho pode desempenhar um papel poderoso para contrariar os efeitos da desinformação e para restaurar a confiança em fontes fiáveis.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/bmGbZmZpt;
  1. solana114_FADEL SENNAAFP via Getty Images_libyaprotestflag Fadel Senna/AFP via Getty Images

    Relieving Libya’s Agony

    Javier Solana

    The credibility of all external actors in the Libyan conflict is now at stake. The main domestic players will lower their maximalist pretensions only when their foreign supporters do the same, ending hypocrisy once and for all and making a sincere effort to find room for consensus.

    3

Edit Newsletter Preferences