Palmyra Louai Beshara/Getty Images

A política do historicídio

NOVA IORQUE – Num mundo em desordem, o Médio Oriente destaca-se. A ordem posterior à I Guerra Mundial desmantela-se em grande parte da região. Os povos da Síria, do Iraque, do Iémen e da Líbia pagaram um pesado preço.

Mas não foram apenas o presente e o futuro da região quem sofreu. Uma vítima adicional da violência de hoje é o passado.

O Estado Islâmico (ISIS) faz questão de destruir coisas que considere insuficientemente Islâmicas. O exemplo mais dramático foi o magnífico Templo de Baal, em Palmira, na Síria. Enquanto escrevo, a cidade de Mosul no norte do Iraque está a ser libertada, depois de mais de dois anos de controlo do ISIS. Não será libertada a tempo de salvar as muitas esculturas já destruídas, as bibliotecas já incendiadas, ou os túmulos já saqueados.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/GeATQRu/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.