ECB headquarters Frankfurt Luo Huanhuan/ZumaPress

Democratizar a zona Euro

ATENAS – Tal como Macbeth, os decisores políticos tendem a cometer novos pecados para ocultarem os seus delitos anteriores. E os sistemas políticos provam o seu valor pela rapidez com que põem fim aos erros, em série e que se reforçam mutuamente, das políticas dos seus responsáveis. À luz deste critério, a zona euro, que inclui 19 democracias estabelecidas, representa a maior economia não-democrática do mundo.

Após o início da recessão posterior à crise financeira global de 2008, os decisores políticos da China passaram sete anos a substituir o decréscimo da procura das exportações líquidas do seu país, por uma bolha de investimento interno, inflacionada pelas vendas agressivas de terrenos realizadas por governos locais. E quando chegou, este Verão, o momento do ajuste de contas, os líderes da China gastaram 200 mil milhões de dólares de reservas arduamente ganhas para fazerem de Rei Canuto, tentando conter a maré de um descalabro no mercado bolsista.

Contudo, comparado com a União Europeia, o esforço do governo Chinês para corrigir os seus erros – eventualmente permitindo que baixassem as taxas de juro e os valores das acções – parece um paradigma de rapidez e eficiência. Com efeito, o falhado “programa de consolidação e reforma fiscal” Grego, e o modo como os líderes da UE se agarraram a ele, apesar dos cinco anos de provas de que o programa nunca poderia resultar, é sintomático de um falhanço mais alargado de governação Europeia, um com profundas raízes históricas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/snSBagT/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.