A perda de razão da Europa

NOVA IORQUE – Finalmente, os Estados Unidos estão a mostrar sinais de recuperação da crise que eclodiu no final da administração do Presidente George W. Bush, quando a quase implosão do seu sistema financeiro enviou ondas de choque em todo o mundo. Mas não é uma recuperação forte; na melhor das hipóteses, a distância entre onde a economia deveria ter estado e onde está hoje não está a aumentar. Se estiver a diminuir, está a ser muito lentamente; o dano causado pela crise parece ser a longo prazo.

Então, mais uma vez, poderia ser pior. Do outro lado do Atlântico, há poucos sinais de até mesmo uma modesta recuperação ao estilo americano: A diferença entre onde está a Europa e onde deveria ter estado na ausência da crise continua a crescer. Na maioria dos países da União Europeia, o PIB per capita é menor do que era antes da crise. Meia década perdida está rapidamente a transformar-se numa inteira. Por trás das estatísticas frias, vidas estão a ser arruinadas, sonhos estão a ser destruídos e famílias estão a desmoronar (ou não estão a ser constituídas) à medida que a estagnação – depressão em alguns lugares – continua ininterruptamente ano após ano.

A UE tem pessoas extremamente talentosas e instruídas. Os seus países membros têm fortes quadros jurídicos e sociedades que funcionam bem. Antes da crise, a maioria ainda tinha economias que funcionavam bem. Em alguns lugares, a produtividade por hora – ou a taxa do seu crescimento – estava entre as mais altas do mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/RvBVLkX/pt;