europe migrant crisis Kostis Ntantamis/ZumaPress

O preço da indiferença da Europa

BAGDADE – O debate sobre a migração na Europa assumiu um carácter preocupante.

Tudo começou com a criação do conceito extremamente vago (uma aberração jurídica) de “migrante”, que confunde a diferença, essencial ao direito, entre a migração económica e a migração política, entre as pessoas que fogem à pobreza extrema e as que foram forçadas a abandonar as suas casas devido à guerra. Ao contrário dos migrantes económicos, os que fogem à opressão, ao terror e ao massacre beneficiam de um direito inalienável ao asilo, que implica uma obrigação sem reservas por parte da comunidade internacional de lhes proporcionar abrigo.

Mesmo quando esta diferença é reconhecida, faz muitas vezes parte de outro estratagema, o de tentar convencer os mais crédulos de que os homens, mulheres e crianças que pagaram milhares de dólares para viajar numa dessas frágeis embarcações que dão à costa nas ilhas de Lampedusa ou Kos são migrantes económicos. No entanto, o que é facto é que 80% dessas pessoas são refugiados que tentam escapar ao despotismo, ao terror e ao extremismo religioso de países como a Síria, a Eritreia e o Afeganistão. É por isso que o direito internacional exige que os casos dos requerentes de asilo não sejam analisados a granel, mas sim individualmente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/FJhJMF3/pt;