Crise europeia das línguas

ROMA - Quando a história se repete, ela raramente é gentil. Hoje, tal como na época do colonialismo, dezenas de milhares de jovens ambiciosos, originários da periferia da Europa, estão a fugir do velho continente em busca de melhores oportunidades na América, em África e na Ásia. Mas, ao contrário da era colonial, as saídas de pessoas não são compensadas pelas entradas de recursos naturais ou de metais preciosos. Os emigrantes europeus estavam habituados a contribuir para a glória das suas pátrias; agora, o seu êxodo está a contribuir para o declínio da Europa.

Numa tentativa extrema de resolver a falta de emprego no seu país, o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, aconselhou recentemente os jovens desempregados do seu pais a emigrarem para as antigas colónias portuguesas, como o Brasil ou Angola. No ano passado, pela primeira vez desde 1990, a Espanha era um exportador líquido de pessoas, com 31% dos emigrantes a irem para a América do Sul. Mesmo em países sem passado imperial, mas com uma longa tradição migratória, como a Irlanda, a fuga de cérebros para a Austrália e para a América do Norte está a acelerar.

A gravidade da recessão económica na Europa, as deficiências no projecto do euro e as medidas fiscais de austeridade mal concebidas alimentam o êxodo. Mas o principal impulsionador é a cultura, não a economia. O alto grau de fragmentação linguística da Europa não permite que a zona euro amorteça uma crise auto-infligida, por isso as pessoas deslocam-se para fora da zona monetária, em vez de se deslocarem dentro dela.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/FhINmbm/pt;