woman at ATM Milos Bicanski | Stringer via getty images

Mentiras, malditas mentiras, e as estatísticas do crescimento europeu

ATENAS – “A Grécia regressou, finalmente, ao crescimento económico”. Este era o enredo oficial da União Europeia no final de 2014. Infelizmente, os eleitores gregos, não impressionados com este júbilo, destituíram o governo em exercício de funções e, em janeiro de 2015, votaram por uma nova administração na qual desempenhei a função de ministro das Finanças.

Na semana passada, relatórios jubilosos semelhantes foram emanados de Bruxelas, anunciando o “regresso ao crescimento” em Chipre, e contrastando esta “boa” notícia com o “regresso à recessão” da Grécia ". A mensagem da troika de credores do resgate europeu - a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional - é clara e dita em alta voz: “Façam o que mandarmos, como Chipre fez, e irão recuperar. Resistam às nossas políticas, elegendo pessoas como Varoufakis, e irão sofrer as consequências de mais recessão”.

É uma história poderosa. Só que ela tem como base uma mentira dissimulada. A Grécia não estava a recuperar em 2014 e o rendimento nacional de Chipre ainda não recuperou. As reivindicações da UE em sentido contrário são baseadas num foco inadequado no “verdadeiro” rendimento nacional, um limite métrico para induzir em erro durante os períodos de queda de preços.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/TvKhY13/pt;
  1. roach102_WallyMcNameeCORBISCorbisviaGettyImages_ReaganJapanpressconference Wally McNamee/CORBIS/Corbis via Getty Images

    Japan Then, China Now

    Stephen S. Roach

    Back in the 1980s, Japan was portrayed as the greatest economic threat to the United States, and allegations of intellectual property theft were only part of Americans' vilification. Thirty years later, Americans have made China the villain, when, just like three decades ago, they should be looking squarely in the mirror.

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.