European Central Bank Bloomberg/Getty Images

A independência ilusória do BCE

ATENAS – um compromisso com a independência dos bancos centrais é uma parte vital da crença que se espera que os governantes “sérios” defendam (a privatização, a “flexibilidade” no mercado de trabalho, entre outras coisas). Mas espera-se que os bancos centrais sejam independentes do quê? A resposta parece óbvia: dos governos.

Neste sentido, o Banco Central Europeu é o banco central genuinamente independente: nenhum governo o apoia e está expressamente proibido de apoiar qualquer um dos governos nacionais dos quais o banco central faz parte. E ainda assim, o BCE é o banco central menos independente no mundo desenvolvido.

A grande dificuldade é a cláusula “não há resgate financeiro” do BCE – a proibição de ajudar o governo de um Estado-membro insolvente. Uma vez que os bancos comerciais são uma fonte essencial de financiamento para os governos membros, o BCE é forçado a recusar liquidez aos bancos domiciliados em membros insolventes. Assim, o BCE baseia-se em regras que o impedem de funcionar como emprestador de última instância.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/ocdyTLW/pt;

Handpicked to read next