Chalice grapes European chair akahawkeyefan/Flickr

O cálice envenenado do crescimento na Europa

CAMBRIDGE – Após uma dupla recessão e um longo período de estagnação, a zona euro está finalmente a mostrar sinais de recuperação. A confiança dos consumidores está a aumentar. As vendas a retalho e o registo de automóveis novos estão em alta. A Comissão Europeia prevê um crescimento de 1,3% para o corrente ano, o que não é mau à luz dos padrões europeus, podendo, no entanto, ser muito mau no que diz respeito à reforma da Europa.

Não é difícil perceber a razão da intensificação do crescimento. Naturalmente, porque o Banco Central Europeu anunciou, no final de Janeiro, um ambicioso programa de aquisição de activos (flexibilização quantitativa). Tal perspectiva conduziu rapidamente a uma descida da taxa de câmbio do euro, aumentando a competitividade internacional dos produtos europeus.

Contudo, a desvalorização do euro é ainda demasiado recente para que a diferença possa já ser sentida. Os antecedentes históricos, sem esquecer a experiência do Japão com a queda do iene, sugerem que são necessários vários trimestres, ou mesmo anos, para que o impacto positivo da depreciação da moeda sobre as exportações líquidas se faça sentir.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/kgYDZac/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.