african trade PIUS UTOMI EKPEI/AFP/Getty Images

O potencial inexplorado do comércio UE-África

CIDADE DO CABO – A utilização de relações comerciais e de investimento pela China, para expandir a sua influência em África, está a alimentar uma apreensão crescente em algumas capitais europeias. Mas, em vez de queixar-se das actividades da China, a União Europeia deveria aprofundar o seu envolvimento com o continente.

Nos últimos anos, a UE tem procurado assegurar, de forma activa, novas oportunidades comerciais e de investimento em todo o mundo. Em Julho de 2018, a UE estava envolvida em negociações para 21 acordos de livre-comércio. Incluem-se aqui as conversações iniciadas nos sete últimos anos com seis países ASEAN – Indonésia, Filipinas, Malásia, Singapura, Tailândia e Vietname – que poderão preparar o caminho para um acordo futuro com toda a região.

A UE também encetou conversações com a Nova Zelândia e com a Austrália, e concluiu recentemente acordos abrangentes de livre-comércio com a Arménia, o Canadá, o Japão e o Vietname, para além de um acordo autónomo de investimento com a China.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/rz1CDD4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.