sihlobo2_Jonas GratzerLightRocket via Getty Images_gmocorn Jonas Gratzer/LightRocket via Getty Images

Uma nova oportunidade para as colheitas geneticamente modificadas

PRETÓRIA – A União Europeia está a rever as suas normas em relação a organismos geneticamente modificados (OGM), com o objetivo de aliviar as restrições nas colheitas geneticamente modificadas (GM). É uma iniciativa bem-vinda e os países africanos deveriam considerar fazer o mesmo.

Há menos tópicos controversos na agricultura mundial. Muitos preocupam-se com o facto de as colheitas geneticamente modificadas terem efeitos adversos para o ambiente e a saúde e de correrem o risco de debilitar a soberania alimentar, umas vez que o punhado de empresas que produz as sementes pode ganhar poder indevido sobre a produção agrícola mundial – e sobre os agricultores que a produzem. É por causa destes receios que a UE e a maioria dos países africanos atualmente colocam restrições ao cultivo de alimentos geneticamente modificados.

Ainda assim, muitos países – incluindo Argentina, Austrália, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Uruguai, Paraguai e o meu país, África do Sul – aderiram às colheitas geneticamente modificadas. Estes países geralmente concordam com a visão de que a edição genética nas colheitas é segura porque, na maioria das vezes, apenas acelera os processos naturais.

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/JrpOUu3pt