O barril de pólvora étnico de Myanmar

PRAGA – Passaram dois anos desde que Myanmar (Birmânia) realizou as suas primeiras eleições legislativas, após mais de duas décadas de ditadura militar. O sistema de votação popular foi saudado como um passo importante na transição do país, do regime militar para o governo civil, e a economia fez progressos impressionantes sob o governo civil do Presidente Thein Sein. Mas, se o país não conseguir resolver os seus conflitos étnicos de longa data, todo este progresso pode se perder.

As relações turbulentas entre o governo da Birmânia e as suas minorias étnicas constituem um sério obstáculo no caminho que o país percorre para a estabilidade e para a prosperidade. Na verdade, a história recente da Birmânia tem sido assolada pela violência étnica e por conflitos prolongados com as forças do governo, particularmente nos estados de Karen, Shan e Kachin.

Muitas das minorias étnicas da Birmânia - cujos membros representam quase 40% da população - há muito que têm estado sujeitas a perseguições e a maus tratos. Como resultado disso, guardam muitas vezes raiva e ressentimento em relação ao governo, com alguns membros a pegarem até mesmo em armas em sinal de resistência. Existe um perigo real de que os oponentes à transição na Birmânia poderiam explorar estas tensões, alimentando os conflitos étnicos, a fim de atrapalharem os esforços de reforma.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/CXRv4EE/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.