Igor Bilic/Getty Images

Erradicar o comércio da tortura

BUENOS AIRES/BRUXELAS/ULAN BATOR – Cintos eléctricos, bastões perfurantes, e cerra-polegares electrificados não podem ter outro objectivo senão o de infligir dor a pessoas. Mas apesar de a tortura ser proibida pelo direito internacional, mercadorias como estas continuam a ser produzidas e vendidas, e a ser enviadas a compradores em todo o mundo.

Do mesmo modo, numa altura em que mais países abolem a pena capital, permanecem no mercado os produtos usados para executar sentenças de morte, como sistemas de injecção letal, misturas venenosas, cadeiras eléctricas e câmaras de gás. Segundo a Amnistia Internacional, perto de 19 000 pessoas em todo o mundo aguardam execução, mesmo que a pena capital não tenha efeito dissuasor comprovado e torne irreversíveis os erros judiciais.

Se decidirmos, na comunidade internacional, ser sérios sobre a erradicação da tortura e da pena capital, temos de ir além das promessas solenes. Chegou a hora de iniciativas concretas que tornem muito mais difícil a aquisição de meios de execução e tortura.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/ERqJFU1/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.