A TB patient receives a daily injection at National Institute of Diseases of Chest and Hospital Probal Rashid/LightRocket via Getty Images

O caminho para um mundo sem tuberculose

GENEBRA –Quando Mabruka tinha 18 anos, um dia ela regressava da escola e começou a tossir sangue. Começou a sentir-se doente cerca de dois meses antes e, quando se dirigiu a uma clínica de saúde, descreveu sintomas como perda de peso, cansaço, dificuldade em respirar, febre, suores noturnos, calafrios, perda de apetite, e dor ao respirar e ao tossir. Mabruka foi diagnosticada com tuberculose (TB) e receitaram-lhe um tratamento diário composto por nove a 10 comprimidos. O tratamento durou seis meses e durante esse período ela não pôde frequentar a escola.

De forma chocante, a experiência de Mabruka foi praticamente a mesma de alguém que tenha contraído TB na década de 1950, quando foram descobertos os primeiros tratamentos. Devido a uma inexistência de inovação terapêutica desde então, às condições de vida precárias e à pobreza generalizada, milhões de pessoas em todo o mundo ainda continuam desprovidas do seu direito a viver sem TB.

Mais de dez milhões de pessoas contraem a doença anualmente. Apesar de ser evitável e curável, é a principal causa de morte entre as pessoas que vivem com o vírus VIH e a causa de morte mais comum causada por um agente infeccioso nos tempos modernos.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/4XFExmU/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.