Confronto no Egipto

LONDRES – No dia 30 de Junho, com protestos massivos anti-governamentais por todo o Egipto – um ano após o dia em que os egípcios elegeram o seu primeiro Presidente civil - um movimento diverso e descentralizado desafiou a permanência do Presidente Mohammad Morsi no poder, de modo nunca antes visto. Centenas de milhares de pessoas foram mobilizadas para irem para as ruas, com muitas delas a atacar e a incendiar a sede da Irmandade Muçulmana, à qual Morsi pertence, no Cairo.

No final do dia, foi dado um ultimato ao Presidente. A primeira declaração “revolucionária” do movimento de militantes de base do Egipto, Tamarod (rebelde), exigiu que Morsi saísse num espaço de dois dias ou então enfrentaria um protesto no palácio presidencial. “Em nome de 22 milhões de cidadãos, declaramos que Mohammad Morsi já não é o Presidente legítimo do Egipto”. Em seguida, os manifestantes apelaram “às instituições do Estado, ao Exército, às forças policiais e ao poder judiciário para ficarem do lado da vontade popular”.

O Exército reagiu, emitindo um ultimato em seu nome a Morsi: ou atende às exigências dos manifestantes ou enfrenta uma solução militar para a crise. No final do dia, o gabinete de Morsi declarou que não tinha sido consultado antes da declaração do Exército e dezenas de milhares de apoiantes do Presidente manifestaram-se simultaneamente em várias cidades à meia-noite.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/VGgFmD1/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.