O Egipto, no pensamento da Jordânia

AMÃ - O comportamento da corte real da Jordânia, nos dias que se seguiram ao anúncio oficial da vitória do membro da Irmandade Muçulmana, Mohamed Morsi, nas eleições presidenciais do Egipto, mostra uma história que dá que pensar. Inicialmente, o rei da Jordânia, Abdullah II, hesitou em assinar a tão almejada lei eleitoral. A isto, seguiu-se a aprovação da lei, o pedido da sua revisão e um encontro oficial de surpresa com o líder do Hamas.

Durante o ano passado, o rei Abdullah esteve inflexível na questão de que os jordanos devem votar em eleições livres e justas até ao final de 2012. Foram aprovadas alterações constitucionais. Foi criada por lei uma comissão eleitoral independente. E um respeitado jurista jordano, que tinha sido juiz no Tribunal Internacional de Justiça, foi repreendido por ter “arrastado os pés” na obtenção da aprovação da lei eleitoral.

Então, porque é que o rei esperou quatro dias, depois de as duas Câmaras do Parlamento terem aprovado a lei, para assinar; e por que é que solicitou logo alterações?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/sl4sMOW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.