O Egipto sustém a respiração

CAIRO – “Vocês são a autoridade, acima de qualquer outra. Vocês são os protectores; quem procura protecção noutro sítio não está no seu perfeito juízo...e o exército e a polícia estão a ouvir-me”, disse o presidente eleito do Egipto, Mohamed Morsi, a centenas de milhares de pessoas na Praça Tahrir. O homem que foi preso a seguir a uma “sexta-feira de raiva” (28 de Janeiro de 2011) prestou juramento presidencial em Tahrir numa “sexta-feira de transferência de poder” (29 de Junho de 2011). Mas, por pouco não o fez.

Dez dias antes, a 19 de Junho, eu estava com um grupo de ex-deputados egípcios na Praça Tahrir. Um deles recebeu um telefonema a informá-lo de que um elemento sénior da Irmandade Muçulmana estava a caminho para anunciar que o grupo estava a ser chantageado: ou aceitavam a adenda constitucional decretada pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (SCAF), que praticamente eviscerou a presidência, ou o resultado da eleição presidencial não seria decidido a favor da Irmandade. Uma hora depois, o elemento não tinha aparecido. “As conversações estavam prestes a ruir, mas foram retomadas”, disse o ex-deputado. “Sustém a respiração”.

A vitória do militante da Irmandade, Morsi, nas primeiras eleições presidenciais livres é um passo histórico no caminho pedregoso da democratização do Egipto. O seu adversário, o último chefe do governo do ex-presidente Hosni Mubarak, Ahmed Shafiq, não teve qualquer hipótese de ganhar uma votação limpa, apesar do apoio de uma enorme máquina de propaganda estatal e de vários magnatas no mundo dos negócios. “Quantas pessoas podem eles enganar, convencer ou comprar? Nós não temos a memória curta”, disse-me um taxista quando lhe perguntei se votaria em Shafiq.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/37rOD2N/pt;