O Egipto depois de Morsi

BERLIM – O Egipto é fulcral para a revolução Árabe, mesmo que a centelha original tenha acontecido na Tunísia. Mas o Egipto – com a sua localização estratégica, fronteiras estáveis, extensa população, e história antiga – tem sido, desde há séculos, a principal potência do mundo Árabe, definindo como nenhuma outra o movimento da história na região. Isto implica que o derrube do presidente democraticamente eleito do Egipto, Mohamed Morsi, terá repercussões vastíssimas.

O afastamento de Morsi foi uma contra-revolução clássica, mascarada de golpe militar? Ou terá o golpe impedido a tomada total do poder por parte da Irmandade Muçulmana, e evitado assim no Egipto o colapso económico e o declínio caótico para a ditadura religiosa?

Ninguém deveria negar que o que aconteceu no Egipto foi um golpe militar, ou que forças do antigo regime do Presidente Hosni Mubarak regressaram ao poder. Mas, ao contrário do que aconteceu em 2011, altura em que alguns liberais pró-Ocidente e grandes números de jovens urbanos e da classe média se juntaram contra Mubarak, agora estes mesmos grupos apoiaram o golpe, emprestando-lhe uma certa (e democrática?) legitimidade. Não obstante, o derrube militar de um governo democraticamente eleito não pode ser menosprezado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/wTYSgGP/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.