hausmann97_ Spencer PlattGetty Images_uber protests Spencer PlattGetty Images

Estarão os economistas apaixonados pela disciplina?

CAMBRIDGE – Mark Twain terá alegadamente dito que “a História nunca se repete, mas rima”. Porém, normalmente, o que rima não são os factos históricos subjacentes mas as narrativas que construímos em seu torno. As histórias que contamos sobre o mundo repetem algumas ideias básicas que não serão necessariamente verdadeiras. Mas gostamos de acreditar que sejam, porque tornam o mundo mais inteligível e moralmente determinado.

A formação tradicional dos economistas é um exemplo desta realidade. Além das teorias individuais, a profissão evidencia uma longa lista de rimas. Reconhecemos a sua métrica e conseguimos adivinhar quando e como terminam, porque conhecemos os versos anteriores e também sabemos que estes têm de rimar com a próxima frase.

Considere-se a mão invisível de Adam Smith, segundo a qual conseguimos obter o nosso jantar do talhante e do cervejeiro devido ao seu interesse próprio, e não à sua generosidade. O mercado consegue transformar os seus vícios privados em virtude pública. Portanto, a ganância poderá não ser sempre má.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/OremyuEpt