11

Por que o Progresso Social Importa

CAMBRIDGE – O crescimento econômico tirou centenas de milhões de pessoas da pobreza e melhorou muitas outras vidas ao longo dos últimos cinquenta anos. Mas é cada vez mais evidente que um modelo de desenvolvimento humano, com base no progresso econômico sozinho é incompleto. Uma sociedade que deixa de atender necessidades básicas humanas, dar condições aos cidadãos para melhorar sua qualidade de vida, proteger o ambiente e proporcionar oportunidade para muitos dos seus cidadãos não é bem sucedido. O crescimento inclusivo exige progresso econômico e social.

As armadilhas de se concentrar só no PIB são evidentes nas conclusões do Índice de Progresso Social 2015, divulgado em 9 de abril. O IPS, criado em colaboração com Scott Stern do MIT e a entidade sem fins lucrativos, Social Progress Imperative, mede o desempenho de 133 países em várias dimensões de desempenho social e ambiental. É o quadro mais abrangente desenvolvido para medir o progresso social e o primeiro a medir o progresso social independentemente do PIB.

Erdogan

Whither Turkey?

Sinan Ülgen engages the views of Carl Bildt, Dani Rodrik, Marietje Schaake, and others on the future of one of the world’s most strategically important countries in the aftermath of July’s failed coup.

Delineando 52 indicadores de desempenho social de um país, o IPS oferece uma ferramenta prática para que governo e líderes empresariais possam aferir o desempenho do país e priorizar aquelas áreas onde a melhoria social é mais necessária. O IPS, portanto, fornece uma base empírica  e sistemática para orientar a estratégia para o crescimento inclusivo.

Os dados revelam que muitos aspectos do progresso social, não surpreendentemente, tendem a melhorar com o crescimento da renda. Países mais ricos, como a Noruega (que detém o primeiro lugar no IPS deste ano), geralmente entrega melhores resultados sociais do que países de baixa renda.

Mas uma descoberta surpreendente é que o PIB está longe de ser o único determinante do progresso social. A Costa Rica, por exemplo, alcançou um nível mais alto de progresso social que a Itália, com apenas um terço do PIB per capita da Itália.

E a Costa Rica não é um caso isolado. Por entre o âmbito dos países, de ricos a pobres, vemos exemplos, tais como a Nova Zelândia e o Senegal, que são muito mais bem sucedidos em traduzir seu crescimento econômico em progresso social do que outros, como os Estados Unidos e a Nigéria. Muitas das economias emergentes de rápido crescimento, incluindo a China e a Índia, também ainda não foram capazes de atingir o nível de progresso social que seu progresso econômico permite.

Onde há um desequilíbrio entre o crescimento econômico e o progresso social, a agitação e instabilidade política surgem muitas vezes, como na Rússia e no Egito. O retardamento do progresso social também atrasa o crescimento econômico nestes e em outros países que não conseguem atender às necessidades humanas, construir capital social e criar oportunidades para seus cidadãos. Os países devem investir no progresso social, não só instituições econômicas, para criar a base apropriada para o crescimento econômico.

Em minha própria experiência, eu vi como Ruanda fez investimentos no progresso social – incluindo igualdade de gêneros, 61% de redução na mortalidade infantil em uma única década e 95% de matrículas na escola primária – parte integrante de sua estratégia de desenvolvimento econômico. O desempenho econômico positivo de Ruanda não teria sido possível sem a melhoria nestas e em outras dimensões do progresso social.

Colocar o foco no progresso social desta forma leva a melhores estratégias de desenvolvimento e constrói o apoio político para as etapas controversas, muitas vezes necessárias para aumentar a prosperidade. A medição rigorosa do desempenho social, ao lado de indicadores econômicos tradicionais, é crucial para começar o círculo virtuoso pelo qual o crescimento do PIB melhora o desempenho social e ambiental de maneira a levar a um sucesso econômico ainda maior. E, evitando debates estreitos, como o PIB versus desigualdade de renda, o IPS fornece uma ferramenta essencial para realizar habilmente uma agenda viável que faça exatamente isso.

O interesse no IPS tem crescido exponencialmente desde o lançamento de sua versão beta em 2013. As conclusões estão sendo compartilhadas entre milhões de cidadãos em todo o mundo, tornando-se uma ferramenta para os cidadãos cobrarem responsabilidade de seus líderes.

Além disso, iniciativas estratégicas para melhoria no progresso social estão em andamento em mais de 40 países. O Paraguai, por exemplo, adotou o IPS para orientar um plano de desenvolvimento nacional inclusivo para 2030. E o IPS está sendo usado não só a nível nacional, mas também nas autoridades regionais e municipais. Estados como o Pará, no Brasil, juntamente com cidades como Bogotá e Rio de Janeiro, na América Latina e Somerville, no estado americano de Massachusetts, estão começando a usar o IPS como uma medida de sucesso de desenvolvimento.

Este ano, a Comissão Europeia vai estender os IPS regionais por toda a Europa. E empresas, como a Coca-Cola e a Natura, estão usando o IPS para informar suas estratégias de investimento social e construir relações de colaboração com parceiros públicos e privados

Support Project Syndicate’s mission

Project Syndicate needs your help to provide readers everywhere equal access to the ideas and debates shaping their lives.

Learn more

O PIB tem sido a referência que orienta o desenvolvimento econômico por mais de meio século. O IPS pretende ser um complemento (não substituto) como uma métrica de núcleo de desempenho nacional. Medir o progresso social oferece aos cidadãos e líderes uma visão mais completa de como seu país está se desenvolvendo. E isso vai ajudar as sociedades a fazer melhores escolhas, criar comunidades mais fortes e permitir que as pessoas tenham vidas mais gratificantes.

Traduzido do inglês por Roseli Honório