Colocar a deflação em primeiro lugar

CAMBRIDGE – o Banco Central Europeu está a caminhar, hesitante mas inevitavelmente, em direcção à flexibilização quantitativa. A ameaça da deflação – e a ineficácia das suas medidas anteriores – deixa-o sem escolha. A questão é se o BCE será capaz de caminhar depressa o suficiente.

O BCE já tentou aliviar as condições de crédito através da compra de instrumentos de dívida titularizados de alta qualidade. Comprou títulos cobertos por fluxos de rendimentos de hipotecas do sector privado, as tão conhecidas obrigações hipotecárias, e deixou flutuar a ideia de comprar títulos corporativos e obrigações multilaterais emitidos pelo Banco Europeu de Investimento.

Mas não há dúvida de que isto não será suficiente. As ofertas de títulos privados são limitadas, reflectindo o domínio dos empréstimos bancários na Europa e o sentimento de recessão nos mercados de securitização. Aumentar o fornecimento de tais títulos levará tempo, algo que os governantes europeus não possuem.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/aS5wzvN/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.