eichengreen136_Thomas LohnesGetty Images_christine lagarde Thomas Lohnes/Getty Images

Democratizar o BCE

AMESTERDÃO – O Banco Central Europeu (BCE) está a passar por uma troca de guarda: um novo presidente, um novo economista-chefe e dois novos membros do Conselho Executivo. E a nova liderança do BCE enfrenta um ano controverso em 2020.

Para começar, a última reunião de política do ex-presidente do BCE, Mario Draghi, ficou marcada por disputas sobre a flexibilização quantitativa e o papel do presidente na tomada de decisões, destacando as discordâncias no seio do Conselho do BCE (incluindo o Conselho Executivo e os governadores dos bancos centrais nacionais) sobre estratégia monetária. Deverá o BCE manter o seu objetivo de inflação, mas torná-lo simétrico, em contraste com o presente “abaixo, mas próximo dos 2%”? Ou deveria abandonar toda a esperança de chegar perto dos 2% e contentar-se com 1,5%?

Depois, há a afirmação da sucessora de Draghi, Christine Lagarde, de que o BCE deveria concentrar-se nas alterações climáticas, mesmo que a questão não faça parte do mandato do banco central (e mesmo que a política monetária não seja um instrumento óbvio para lidar com ela).

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/NnBPQQ6pt