Desenvolvimento para as Pessoas

NOVA IORQUE – A epidemia de Ébola na África Ocidental está a destruir vidas, a dizimar comunidades, e a deixar crianças órfãs a uma taxa que não se via desde que terminaram, há mais de uma década, as brutais guerras civis da região. Na Libéria, 60% dos mercados estão agora fechados. Na Serra Leoa, apenas um quinto dos 10.000 doentes de VIH que tomam medicamentos anti-retrovirais ainda os recebe; e o governo da Guiné relatou um défice de financiamento no valor de 220 milhões de dólares por causa da crise. Se o surto não for contido rapidamente, a maior parte dos ganhos económicos e sociais alcançados desde que a paz foi restaurada na Libéria e na Serra Leoa, e desde que se iniciou a transição democrática na Guiné, poderia ser revertida.

Estes três países permanecem frágeis, divididos, e, como sublinha a crise actual, especialmente propensos a choques. Mais genericamente, a actual crise na região deveria inspirar a reflexão sobre o modo como o mundo apoia e promove o desenvolvimento.

Uma razão importante para a vulnerabilidade destes países é a consistente falta de investimento nas suas populações, que tem impedido que os cidadãos comuns recebam os benefícios do crescimento económico. Na verdade, embora as economias da Guiné, Libéria, e Serra Leoa tenham crescido rapidamente nos dez anos anteriores ao surto de Ébola – a taxas médias anuais de 2,8%, 10%, e 8%, respectivamente – as suas populações viram poucas melhorias nas suas vidas quotidianas. Mais de 65% do investimento directo estrangeiro foi dirigido para a mineração e a exploração de madeira, actividades notórias por gerarem pouco emprego e por concentrarem a riqueza nas mãos de uma minoria.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/GO2wClD/pt;