Lições da Ásia Oriental para África

NOVA IORQUE – Entre 1 e 3 de Junho, o Japão acolhe o quinto encontro da CITDA, a Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento Africano. O encontro vem recordar que, enquanto o resto do mundo se obceca com as dificuldades económicas da Europa, a paralisia política da América, e o abrandamento do crescimento na China e noutros mercados emergentes, resta uma região – a África Subsaariana – onde a pobreza é quase a regra, e não a excepção.

De 1990 a 2010, o número de pessoas vivendo na pobreza (1,25 USD por dia) em toda a África Subsaariana subiu de abaixo dos 300 milhões para quase 425 milhões, enquanto o número a viver com menos de 2 USD por dia cresceu de cerca de 390 milhões para quase 600 milhões. Ainda assim, a proporção dos que vivem na pobreza decresceu de 57% para 49% neste período.

Os países desenvolvidos quebraram repetidamente as suas promessas de ajuda ou de comércio. No entanto o Japão, ainda sofrendo o efeito de duas décadas de mal-estar económico, tem de algum modo conseguido continuar activamente envolvido – não por causa dos seus interesses estratégicos, mas por forma a cumprir um imperativo moral genuíno, nomeadamente que quem está melhor deve ajudar quem precisa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/o9J3DjF/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.