O Congresso de Viena revisitado

PARIS – Há duzentos anos, em 25 de Setembro de 1814, o Czar Alexandre I da Rússia e Friedrich Wilhelm III, Rei da Prússia, foram recebidos às portas de Viena pelo Imperador Franz I da Áustria. O início do Congresso de Viena deu lugar ao mais longo período de paz que a Europa vivera em séculos. Se assim é, por que motivo o aniversário do evento foi completamente ignorado?

É certo que o Congresso de Viena é sobretudo visto como o marco que assinala a vitória das forças reaccionárias europeias após a derrota de Napoleão. No entanto, tendo em conta o contexto actual de crescente confusão, ou mesmo caos, em todo o mundo, um sentimento de nostalgia “proustiana” pelo Congresso poderá não ser descabido. Tratou-se, apesar de tudo, de uma reunião que, por meio de negociações difíceis, mas bem-sucedidas, restabeleceu a ordem internacional após as convulsões geradas pela Revolução Francesa e as guerras napoleónicas. Será possível aplicar actualmente alguma das lições extraídas do Congresso?

Para responder a esta pergunta, devemos considerar não apenas o Tratado de Viena de 1815, mas também a paz de Vestefália de 1648 e o Tratado de Versalhes de 1919, cada um dos quais, a seu modo, contribuiu para pôr termo a um capítulo sangrento da história da Europa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/LvAdMeN/pt;