O pequeno grande homem de França

PARIS – Os estereótipos nacionais não desaparecem facilmente, especialmente se aqueles que têm maior influência parecem estar a dar o seu melhor para justificá-los. Vejam o caso de França. Para os de fora, a terra de Molière é um país onde as relações extraconjugais dos líderes políticos são toleradas, enquanto as reformas económicas extremamente necessárias não são.

Mas o mundo poderia ficar surpreendido - ou, pelo menos, meio surpreendido. Quando se trata de ligações dos políticos, a continuidade pode prevalecer em França; mas no que diz respeito à questão da reforma, a mudança pode estar ao virar da esquina.

O Presidente François Hollande anunciou medidas que, se implementadas, equivaleriam a uma revolução pacífica: a grande reconciliação com o mundo industrial e empresarial, que até mesmo o seu predecessor mais enérgico, Nicolas Sarkozy, não se atreveu a tentar, apesar - ou precisamente por causa de - das suas inclinações mais conservadoras.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/PzhW368/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.