Putin, o Grande

PARIS – Um dia, monumentos em honra de Vladimir Putin poderão surgir em cidades russas, com a inscrição: “O homem que devolveu a Crimeia à Mãe Rússia”. Mas talvez os monumentos também sejam erguidos em muitas praças europeias, proclamando o Presidente da Rússia como “O Pai da Europa Unida”. De facto, o rápido avanço de Putin para anexar a Crimeia fez mais para harmonizar as perspectivas dos governos europeus na Rússia do que dezenas de reuniões bilaterais ou multilaterais.

Na semana passada, em Berlim, ouvi as elites francesas e alemãs falarem a uma só voz em discutirem sobre como reagir à agressão da Rússia na Ucrânia. Naturalmente, as palavras não são acções. No entanto, graças a Putin, a União Europeia pode ter encontrado a nova narrativa e o impulso que tem procurado desde a queda do Muro de Berlim.

A Europa precisa desesperadamente desse impulso. Confrontada com um desejo neo-imperial da Rússia em rever a ordem pós-Guerra Fria na Europa, a UE tem de falar a uma só voz se quiser parecer forte e credível. E deve falar unida com os Estados Unidos, tal como fez (principalmente) durante a Guerra Fria.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/f8Gn2TZ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.