Vincent Brassinne/Flickr

A geografia de valores da Europa

PARIS – Qual deverá ser a resposta da Europa perante a reafirmação da tradição imperial russa e os métodos enganosos e reflexos do passado soviético? Deverá dar prioridade ao “valor da geografia” ou à “geografia de valores”?

Quem escolher a primeira via irá fazê-lo em nome do “realismo energético” de curto prazo, argumentando que é fundamental para se chegar a um acordo com a Rússia, porque a Europa não tem o gás de xisto e o petróleo dos EUA. De acordo com este raciocínio, os Estados Unidos podem viver sem a Rússia, mas a Europa não.

Além disso, para os realistas, a conduta desafiante dos EUA relativamente aos seus aliados mais antigos e fiéis – bastante evidente nos recentes escândalos associados à vigilância que envolvem a Agência de Segurança Nacional - desacreditou a própria ideia de uma “comunidade de valores”. Se os Estados Unidos já não respeitam os valores que professam, por que razão deverá a União Europeia perder a boa vontade do Kremlin em prol da sua defesa?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/SpgjcFn/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.