Born2_Zhang Peng_LightRocket via Getty Images Zhang Peng/LightRocket via Getty Images

Resolver o quebra-cabeças da desinformação

MENLO PARK, CALIFÓRNIA – Desde que as eleições presidenciais dos EUA, em Novembro de 2016, sublinharam a vulnerabilidade dos canais digitais a fornecedores de “notícias falsas” (NdT: no original, fake news), o debate sobre o modo de contrariar a desinformação não morreu. Percorremos um longo caminho nos oito meses desde que executivos das empresas Facebook, Google e Twitter compareceram perante o Congresso para responderem a perguntas sobre o modo como fontes russas exploraram as suas plataformas para influenciar as eleições. Mas se há uma coisa que a busca de soluções clarificou, é que não existem soluções mágicas.

Em vez de uma solução geral, são necessárias medidas que abordem o problema de vários ângulos. O ecossistema moderno da informação é como um cubo de Rubik, em que é necessário um movimento diferente para “resolver” cada quadrado individual. Quando falamos da desinformação digital, devemos considerar pelo menos quatro dimensões.

Primeiro, quem partilha a desinformação? A desinformação difundida por intervenientes estrangeiros pode ser tratada de maneira muito diferente – tanto em termos jurídicos como normativos – da desinformação difundida pelos cidadãos, especialmente nos Estados Unidos, com as suas protecções inigualáveis da liberdade de expressão e regras relativamente rigorosas sobre interferências estrangeiras.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/UbdEoZTpt