Desarmar o Estado militarizado do Egipto

LONDRES – A crise do Egipto tem sido apelidada como a pior da sua história. Mas, na verdade, ela carrega uma semelhança impressionante com um episódio anterior, que ocorreu há quase 60 anos.

No dia 28 de Fevereiro de 1954, quase um milhão de manifestantes cercaram o Palácio Abdeen do Cairo, habitado na altura por Gamal Abdel Nasser e por outros líderes do golpe de Julho de 1952. As principais exigências dos manifestantes eram a restauração das frágeis instituições democráticas do Egipto, a libertação dos presos políticos e o regresso do Exército aos seus quartéis.

A crise de dois meses de 1954 foi provocada pelo afastamento do Presidente do Egipto, o general Mohammed Naguib, por parte de Nasser e da sua facção. À semelhança do que se passa em 2013, a Irmandade Muçulmana estava no centro dos acontecimentos, mobilizando-se ao lado do deposto Naguib. Mas, depois das promessas de Nasser de realizar eleições em Junho de 1954 e entregar o poder aos civis, um dos líderes da Irmandade, Abd al-Qadr Audeh, dispensou os manifestantes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/725ornJ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.