Africa doctor child health care UN Photo/Tobin Jones/Flickr

Revertendo a Fuga de Cérebros da Saúde na África

OXFORD – Existe uma consternação compreensível sobre o plano de Uganda para enviar quase 300 trabalhadores de saúde para Trinidad e Tobago. O plano supostamente inclui quatro dos 11 psiquiatras registrados de Uganda, 20 dos seus 28 radiologistas e 15 dos seus 92 pediatras. Em troca, o país caribenho (que tem uma taxa de médico para paciente 12 vezes superior à de Uganda) vai ajudar Uganda  a explorar seus campos de petróleo recém-descobertos.

O ministro dos negócios estrangeiros de Uganda diz que o acordo faz parte da sua missão de promover os interesses do país no exterior, através da transferência de competências e tecnologia, bem como uma oportunidade de ganhar divisas pela oferta de emprego aos seus cidadãos. Mas os doadores internacionais de Uganda não estão convencidos; os Estados Unidos manifestaram uma enorme preocupação e a Bélgica suspendeu a ajuda ao desenvolvimento para o setor de saúde de Uganda.

Dois amigos meus, um ginecologista e um pediatra, se candidataram para ir. Eu ainda trabalhava com eles em Uganda e poderia ter sido tentado a juntar-me ao êxodo. Profissionais de saúde de Uganda são talentosos e altamente qualificados, mas muitas vezes trabalham em condições terríveis e com grande sacrifício pessoal. Então não é de se surpreender que eles fiquem desanimados e busquem oportunidades profissionais em outro lugar. Eles sabem que o status quo está falhando e que algo tem de mudar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/cIY4Pa0/pt;