Drain at construction site

Estancar a fuga de capitais nos países em desenvolvimento

NOVA IORQUE – Os países em desenvolvimento estão este ano a preparar-se para um forte abrandamento. De acordo com o relatório Situação e Perspectivas Económicas Mundiais em 2016da ONU, o seu crescimento médio não passou dos 3,8% em 2015: a taxa mais reduzida desde a crise financeira global em 2009 e apenas igualada, neste século, pelo recessivo ano de 2001. E o que é importante ter em mente é que o abrandamento da China e as profundas recessões na Federação Russa e no Brasil apenas explicam parte da queda generalizada do crescimento.

É verdade que a quebra na procura de recursos naturais pela China (que é responsável por perto de metade da procura global por metais de base) tem tido muito a ver com as acentuadas quedas nos seus preços, que atingiram profundamente muitas economias emergentes e em desenvolvimento na América Latina e em África. De facto, o relatório da ONU refere 29 economias que terão probabilidade de ser grandemente afectadas pelo abrandamento da China. E o colapso dos preços do petróleo, superior a 60% desde Julho de 2014, abalou as perspectivas de crescimento dos exportadores de petróleo.

A verdadeira preocupação, contudo, não reside apenas na queda dos preços das mercadorias, mas também nas maciças saídas de capital. Entre 2009 e 2014, os países em desenvolvimento receberam, no seu conjunto, entradas líquidas de capital de 2,2 biliões de dólares, em parte devido à flexibilização quantitativa nas economias avançadas, que empurrou as suas taxas de juro quase até zero.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/fjeZ5ll/pt;