Um furacão democrático

NOVA IORQUE – Nada mantém a mente mais concentrada do que uma crise de grandes proporções. Tal como milhões de outras pessoas em Nova Iorque, eu ouvi o furacão Sandy a chocalhar as minhas janelas e a golpear as minhas portas. Tive mais sorte do que muitos outros. Chocalhar foi tudo o que ele fez.

Durante muitos anos, os especialistas têm alertado que tais tempestades destruiriam as velhas infra-estruturas urbanas da cidade. A água salgada deslocou-se em torrente para as passagens subterrâneas abertas. Danos no fornecimento de energia reduziram um terço de Manhattan a um estado de escuridão pré-moderno. E isso foi apenas em Nova Iorque. Em certas zonas de New Jersey, muitas pessoas, felizes por ainda terem uma casa, estão isoladas pelos rios de águas residuais não tratadas que batem nas suas portas.

Ninguém pode dizer com total certeza que esta tempestade em particular foi provocada pelo aquecimento global, mas quase todos os especialistas concordam que os efeitos do derretimento do gelo polar e do nível do mar originarão piores tempestades no futuro. E no entanto, nenhum candidato na campanha presidencial dos Estados Unidos se deu ao trabalho de mencionar as potenciais consequências catastróficas da alteração climática.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/fsXRAA6/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.