delong232_Jeff GritchenMediaNews GroupOrange County Register via Getty Images_antivax Jeff GritchenMediaNews GroupOrange County Register via Getty Images

O verão dos desastres

BERKELEY – O mundo enfrenta dois desastres que estão tornando a crise do COVID-19 duas vezes pior do que deveria ser. O primeiro é o surgimento da variante Delta, que é duas vezes mais contagiosa e 1,5-2 vezes mais mortal do que o coronavírus original. O segundo desastre é que os governos do Norte Global não disponibilizaram os recursos para aumentar a produção de vacinas na escala necessária para imunizar a população global até o final deste ano. Pior, quanto mais nos atrasarmos nessa questão, maior a probabilidade de que a imunidade fornecida pelas vacinas contra as infecções anteriores por COVID-19 comece a diminuir.

Devido a esses problemas, é muito cedo para começar a falar sobre a economia mundial “pós-pandemia”. A saúde pública deve permanecer como a principal prioridade. Quanto à economia, o foco deve ser manter o motor econômico básico funcionando e evitar um enorme aumento da pobreza. Com a variante Delta em alta, devemos adiar os esforços para restaurar as economias à “normalidade” de pleno emprego até depois de termos alcançado alguma combinação de vacina e imunidade coletiva adquirida.

Afinal, como não podemos saber em que estado estará a economia global daqui a seis meses, ainda não sabemos quais políticas serão mais adequadas para conduzir uma recuperação suave e sustentável. Da mesma forma, devemos rejeitar propostas para “esfriar” a economia mundial, a fim de evitar alguma espiral inflacionária obscura ou um retorno dos vigilantes do mercado de títulos no futuro. A variante Delta não deve ser tratada com frieza mas com redobrada atenção.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/o4pUhdipt