Salvar o general Petraeus

PRINCETON – Os Estados Unidos passaram do momento alto de umas eleições presidenciais para o momento baixo de um escândalo sexual político, no espaço de uma semana. Para muitos norte-americanos, a eleição demonstrou o melhor sobre o país, apenas para ser sucedido pelo triste processo familiar de retirar heróis dos seus pedestais. Para muitas pessoas que não são norte-americanas, a eleição trouxe a vitória bem-vinda e reconfortante de Barack Obama, enquanto a demissão de David Petraeus como director da CIA foi uma desnecessária ferida auto-infligida.

De facto, tanto a eleição como a demissão de Petraeus são partes de um todo maior: uma América que faz jus às suas promessas.

A eleição lembrou a muitos norte-americanos de que os EUA são um país comprometido com o progresso e com capacidade de o desenvolver - de avançar em direcção a uma visão ideal. Obama foi apoiado por uma coligação de minorias: Afro-americanos, latinos, asiáticos, muçulmanos, lésbicas e gays norte-americanos e uma maioria sub-representada - mulheres -, todos eles percebem as desigualdades e as injustiças persistentes que precisam de ser corrigidas. Mas os vencedores foram todos os que acreditam que os EUA estão, de facto, dedicados à “igualdade de justiça sob a lei”, as palavras brasonadas no frontão do Supremo Tribunal.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/0MY2sAC/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.