Como governam os ricos

PRINCETON – Não é novidade que os ricos têm mais poder político do que os pobres, mesmo nos países democráticos onde todos têm um único voto nas eleições. Mas dois cientistas políticos, Martin Gilens da Universidade Princeton e Benjamin Page da Universidade Northwestern, apresentaram recentemente algumas descobertas duras para os Estados Unidos da América que têm implicações dramáticas para o funcionamento da democracia – nos EUA e em qualquer outra parte.

A pesquisa dos autores baseia-se no trabalho prévio de Gilens, que meticulosamente reuniu pesquisas de opinião pública sobre quase duas mil questões de política, de 1981 a 2002. O par então examinou se o governo federal dos Estados Unidos da América adoptou a política em questão no prazo de quatro anos após o inquérito e controlou o quão próximo o resultado se assemelhava às preferências dos eleitores em pontos diferentes da distribuição do rendimento.

Quando vistas de forma isolada, as preferências do eleitor “médio” – ou seja, um eleitor que fica a meio na distribuição do rendimento – parecem ter uma influência fortemente positiva na resposta final do governo. Uma política da qual o eleitor médio gosta é significativamente mais propensa a ser promulgada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/MJ70g2q/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.