Uma Classe à Parte

PRINCETON – Os muito ricos, escreveu famosamente F. Scott Fitzgerald, “são diferentes de si e de mim.” A sua riqueza torna-os “cínicos enquanto nós somos confiantes”, e fá-los pensar que “são melhores do que nós”. Se estas palavras nos soam hoje verdadeiras, será talvez porque quando foram escritas, em 1926, a desigualdade nos Estados Unidos tinha alcançado níveis comparáveis aos de hoje.

Durante grande parte do período que se seguiu, entre o fim da II Guerra Mundial e a década de 1980, a desigualdade nos países avançados foi moderada. O fosso entre os super-ricos e o resto da sociedade parecia menos colossal – não apenas em termos de rendimento e riqueza, mas também em termos de compromissos e objectivo social. Os ricos tinham mais dinheiro, é claro, mas pareciam fazer ainda parte da mesma sociedade que os pobres, reconhecendo que a geografia e a cidadania faziam-nos partilhar um destino comum.

Como refere Mark Mizruch, da Universidade do Michigan, num livro recente, a elite corporativa Americana do pós-guerra possuía "uma ética de responsabilidade cívica e de interesse próprio esclarecido". Cooperava com os sindicatos e defendia um papel forte do governo, na regulação e na estabilização dos mercados. Entendia a necessidade de impostos para pagar bens públicos importantes, como as auto-estradas e as redes de segurança social para pobres e idosos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/nfscDKb/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.