O Fosso Crescente nas Economias em Desenvolvimento

PRINCETON – Quando investigadores no McKinsey Global Institute (MGI) trabalharam recentemente sobre os detalhes relativos ao atraso no desempenho económico do México, fizeram uma descoberta notável: um grande e inesperado fosso de produtividade entre empresas grandes e pequenas. De 1999 a 2009, a produtividade do trabalho subira uns respeitáveis 5,8% ao ano nas empresas grandes com 500 ou mais funcionários. Nas empresas pequenas com dez ou menos empregados, pelo contrário, a produtividade do trabalho baixara a uma taxa anual de 6,5%.

Além disso, a porção do emprego total nestas pequenas empresas, em níveis já inicialmente elevados, subira de 39% para 42% no mesmo período. Em face do grande fosso que separa o que os autores chamaram de “dois Méxicos,” não admira que o desempenho global da economia tenha sido tão pobre. Tão depressa quanto melhoravam as empresas grandes e modernas, através de investimentos em tecnologia e em competências, a economia era arrastada para baixo pelas suas improdutivas pequenas empresas.

Isto poderá parecer uma anomalia, mas é na verdade uma ocorrência cada vez mais comum. Olhemos para o mundo em desenvolvimento, e veremos uma fissura desconcertante a aparecer entre os sectores mais avançados e mais atrasados das economias.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/5bhJUw2/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.