Guerra e Paz cibernética

CAMBRIDGE - Há dois anos, um vírus informático sabotou o programa nuclear iraniano e destruiu muitas das centrifugadoras utilizadas para enriquecer o urânio. Alguns observadores declararam esta aparente sabotagem como sendo o prenúncio de uma nova forma de guerra e o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, alertou os norte-americanos para o perigo de um ataque “Pearl Harbor cibernético” contra os EUA. Mas o que é que nós realmente sabemos sobre conflito cibernético?

O domínio cibernético dos computadores, e das actividades relacionadas com a electrónica, é um ambiente complexo construído pelo homem e os adversários humanos são determinados e inteligentes. As montanhas e os oceanos são difíceis de mover, mas partes do ciberespaço podem ser ligadas e desligadas através do clique de um interruptor. É muito mais barato e muito mais rápido mover electrões, em todo o mundo, do que mover os grandes navios que percorrem longas distâncias.

Os custos para desenvolver estes navios – forças anfíbias com capacidades múltiplas e frotas de submarinos - criam enormes barreiras à entrada, permitindo o domínio naval norte-americano. Mas as barreiras para entrar no domínio cibernético são tão baixas que os intervenientes não-estatais e os pequenos estados podem desempenhar um papel significativo a baixo custo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/yCgo0cM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.