Guerra e Paz cibernética

CAMBRIDGE - Há dois anos, um vírus informático sabotou o programa nuclear iraniano e destruiu muitas das centrifugadoras utilizadas para enriquecer o urânio. Alguns observadores declararam esta aparente sabotagem como sendo o prenúncio de uma nova forma de guerra e o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, alertou os norte-americanos para o perigo de um ataque “Pearl Harbor cibernético” contra os EUA. Mas o que é que nós realmente sabemos sobre conflito cibernético?

O domínio cibernético dos computadores, e das actividades relacionadas com a electrónica, é um ambiente complexo construído pelo homem e os adversários humanos são determinados e inteligentes. As montanhas e os oceanos são difíceis de mover, mas partes do ciberespaço podem ser ligadas e desligadas através do clique de um interruptor. É muito mais barato e muito mais rápido mover electrões, em todo o mundo, do que mover os grandes navios que percorrem longas distâncias.

Os custos para desenvolver estes navios – forças anfíbias com capacidades múltiplas e frotas de submarinos - criam enormes barreiras à entrada, permitindo o domínio naval norte-americano. Mas as barreiras para entrar no domínio cibernético são tão baixas que os intervenientes não-estatais e os pequenos estados podem desempenhar um papel significativo a baixo custo.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/yCgo0cM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.