O PIB deve ser corrigido, não substituído

ZURIQUE – Há já muito tempo que economistas respeitados referem que o produto interno bruto é uma medida inadequada do desenvolvimento económico e bem-estar social e, portanto, não deve ser a obsessão exclusiva dos governantes. No entanto, ainda não estamos perto de encontrar uma alternativa ao PIB.

Uma lacuna bem conhecida do PIB é que ele desconsidera o valor do trabalho doméstico, inclusive a prestação de cuidados às crianças e aos idosos das famílias. Mais importante, atribuir um valor monetário a essas atividades não iria resolver uma falha mais profunda do PIB: a sua incapacidade de refletir adequadamente a experiência vivida de membros individuais da sociedade. Corrigir o trabalho doméstico iria inflacionar o PIB, ainda que não fizesse nenhuma diferença nos padrões de vida. E as mulheres que constituem uma parte significativa de pessoas que fazem trabalho doméstico continuariam a ser tratadas como voluntárias, em vez de verdadeiros contribuintes económicos.

Outra falha bem conhecida do PIB é que não contabiliza para a destruição do valor, como acontece quando os países gerem mal o seu capital humano ao recusarem a educação a certos grupos demográficos ou ao esgotarem os recursos naturais para benefício económico imediato. Globalmente, o PIB tende a medir os ativos de forma imprecisa e a não medir de todo os passivos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/qRatf4M/pt;

Handpicked to read next