nabi4_Kevin FrayerGetty Images_man coronavirus Kevin Frayer/Getty Images

Em defesa da diplomacia para a saúde global

BOSTON – Uma das características das políticas externas eficazes é que se processem nos bastidores, de uma forma que não seja exaltada nem especialmente visível. Os governos têm de abordar urgentemente uma abordagem desse tipo para estancar o pânico global crescente causado pelo surto do coronavírus, que até agora já matou mais de 1.300 pessoas e infectou para cima de 63.000.

Embora todas as mortes e casos confirmados se tenham detectado até à data na China continental, o vírus alastrou a mais de duas dúzias de países. A Organização Mundial de Saúde declarou recentemente o surto como uma emergência sanitária global.

De momento, reina o pânico. As empresas tecnológicas globais como a Google, a Apple, a Facebook, e a Tesla suspenderam temporariamente a sua actividade na China e pediram aos seus funcionários que trabalhassem a partir de casa. Muitas companhias aéreas, construtores de automóveis, cadeias de retalho e entretenimento e instituições financeiras estrangeiras tomaram medidas semelhantes. E, nos Estados Unidos, os asiaticó-americanos e os estudantes dos países asiáticos enfrentam uma onda de comentários xenófobos sobre a sua alimentação, a sua cultura e o seu modo de vida.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/ryxy5PDpt