A cidade humana

SINGAPURA – A emaranhada teia de organizações internacionais que constitui a governação mundial tornou-se tão remota e ineficaz que poucos contam com ela para produzir mais resultados. Agora, após décadas de guerras territoriais e de auto-marginalizações, as organizações internacionais devem reunir os seus esforços em torno de uma prioridade global cada vez mais urgente: a urbanização sustentável.

O mundo está a viver uma onda de urbanizações sem precedentes e irreversível, prevendo-se que a percentagem da população mundial que vive nas cidades atinja os 60% em 2030. Mas a rápida urbanização está a aumentar o consumo de combustível fóssil industrial e o consumo doméstico de água, e está a aumentar a procura de alimentos em áreas onde a terra arável é escassa. Em suma, a actual trajectória da urbanização não é sustentável.

Mas os esforços que existem para alterar a situação permanecem lamentavelmente inadequados. Apesar de a Assembleia Geral das Nações Unidas ter incumbido a sua agência para a habitação, a UN-HABITAT, com a promoção da urbanização sustentável, a agência não tem influência para garantir que esta questão vital entre para a agenda mundial.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/z0jUKTi/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.