Construction workers Justin Sullivan/Getty Images

À espera da revolução da construção

LONDRES –Em 20 anos, a produtividade na indústria da construção global cresceu a um ritmo anual de apenas 1%. Agora, a indústria precisa entrar no século XXI, para que possa dar resposta à crescente procura de novas estruturas e fazer face às lacunas que existem cada vez mais, a nível mundial, nas habitações e nas infraestruturas.

O ritmo desanimado da mudança da indústria da construção é diferente do ritmo de outros setores como a agricultura e a produção fabril, que transformaram o seu desempenho de produtividade ao longo do tempo. Entre 1947 e 2010, a produção fabril dos EUA alcançou 760% no crescimento acumulado na produtividade real (ajustado pela inflação), em comparação com apenas 6% na construção.

Embora a indústria da construção civil já tenha reconhecido as suas fraquezas há muito tempo, ainda tem de reunir a vontade de fazer alguma coisa em relação a elas. Mas, dada a habitação premente e as falhas nas infraestruturas ao redor do mundo, isso não é mais sustentável. A urbanização pode estar a estabilizar em muitas economias avançadas, mas continuará nos países emergentes. Estima-se que as 20 maiores cidades do mundo, 75% das quais ficam na Ásia, irão precisar de 36 milhões de unidades de habitação até 2025.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/8oKrnSx/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.