4

À espera da revolução da construção

LONDRES –Em 20 anos, a produtividade na indústria da construção global cresceu a um ritmo anual de apenas 1%. Agora, a indústria precisa entrar no século XXI, para que possa dar resposta à crescente procura de novas estruturas e fazer face às lacunas que existem cada vez mais, a nível mundial, nas habitações e nas infraestruturas.

O ritmo desanimado da mudança da indústria da construção é diferente do ritmo de outros setores como a agricultura e a produção fabril, que transformaram o seu desempenho de produtividade ao longo do tempo. Entre 1947 e 2010, a produção fabril dos EUA alcançou 760% no crescimento acumulado na produtividade real (ajustado pela inflação), em comparação com apenas 6% na construção.

Embora a indústria da construção civil já tenha reconhecido as suas fraquezas há muito tempo, ainda tem de reunir a vontade de fazer alguma coisa em relação a elas. Mas, dada a habitação premente e as falhas nas infraestruturas ao redor do mundo, isso não é mais sustentável. A urbanização pode estar a estabilizar em muitas economias avançadas, mas continuará nos países emergentes. Estima-se que as 20 maiores cidades do mundo, 75% das quais ficam na Ásia, irão precisar de 36 milhões de unidades de habitação até 2025.

Além disso, em 2014, estima-se que 330 milhões de famílias urbanas viviam em moradias precárias ou tiveram dificuldades financeiras devido aos custos das habitações; esse número deverá subir para os 440 milhões até 2025. Mesmo numa economia avançada como a dos Estados Unidos, mais de 40% da população da Califórnia não tem possibilidades financeiras para suportar os custos de uma habitação digna, aos preços do mercado.

A crescente procura de estruturas apresenta uma grande oportunidade para remodelar o setor da construção e criar valor através de uma ação concertada. De acordo com uma pesquisa efetuada pelo McKinsey Global Institute, a indústria poderá alavancar a sua produtividade laboral em mais de 60%, se forem feitas alterações em sete áreas-chave: regulamentação; processos de design; contratos; gestão de compras e da cadeia de fornecimento; implementação no local; automação avançada, novas tecnologias e materiais; e competências.

Construction sector

Um aumento de 60% na produtividade criaria 1,6 biliões de dólares adicionais em produção anual –aproximadamente o equivalente à economia canadiana –e adicionaria 2% ao PIB global. Estes ganhos, mais de um terço dos quais podem ser obtidos somente nos EUA, seriam suficientes para satisfazer metade das necessidades atuais de infraestruturas do mundo.

Gerir um projeto de construção raramente é uma tarefa simples. O sucesso exige coordenação e um sistema operacional de projetos abrangente (end-to-end), de modo a que todos os envolvidos no projeto percebam qual é o papel que desempenham e concordem com os indicadores-chave de desempenho.

Ao mesmo tempo, as partes da indústria com elementos repetitivos - em particular a habitação a preços acessíveis em grande escala - podem negar muitas das causas da baixa produtividade, transitando em direção a um sistema de estilo fabril de produção em massa. Isso implicaria uma maior padronização, modularização e pré-fabricação.

Em tal sistema, a maioria das estruturas seriam realmente construídas em fábricas. Em vez de haver diferentes áreas e subsetores a competir por espaço nos locais de construção, a maior parte do trabalho seria realizada fora do local, num ambiente controlado.

Algumas construtoras residenciais já estão a implementar este método. Por exemplo, uma empresa espanhola que constrói edifícios multifamiliares de quatro pisos de morfologia replicável, consegue construir cinco a dez vezes mais unidades do que se o fizesse com os métodos de construção tradicionais, mas emprega a mesma quantidade de mão de obra. Da mesma forma, uma construtora canadiana oferece um número fixo de projetos repetíveis, com várias opções de personalização, e enumera claramente os custos e especificações de cada um no seu site.

Mas se a indústria da construção tem agora a oportunidade de se reinventar, após décadas de crescimento morno da produtividade, os incentivos económicos terão de ser realinhados. Por exemplo, no caso dos empreiteiros, há uma ligação clara entre a produtividade e a rentabilidade, mas não é tão sólida quanto poderia ser. A menos que os proprietários alterem as suas expectativas, muitos empreiteiros podem perder receitas ao optarem por um sistema mais eficiente, em maior escala e com menos redundâncias.

Os proprietários, por sua vez, geralmente não operam numa escala grande o suficiente para mudarem sozinhos a dinâmica da indústria. E porque eles são relutantes em correr mais riscos, ou alterar as suas necessidades sem conhecer os benefícios finais de fazê-lo, cria-se um beco sem saída.

Ainda assim, o crescimento da procura de novas construções pode significar que a indústria está prestes a começar a movimentar-se. Os governantes começam a olhar seriamente para questões relacionadas com custos e escalas. Estas incluem crises na habitação acessível; orçamentos públicos rigorosos que tornam necessário espremer cada dólar em projetos de infraestruturas; e baixar os preços do petróleo colocando pressão sobre os custos de capital no setor dos hidrocarbonetos.

Dentro da indústria, grandes empresas agressivas, incluindo muitas da China, estão agora a mostrar o seu poder financeiro no cenário mundial. Elas têm o capital para investir em métodos para melhorar a eficiência e em novos sistemas de produção, e estão a fazer uso de tecnologias cada vez mais acessíveis - tais como ferramentas digitais, robótica avançada ou novos materiais - para atingir o ponto máximo da eficiência.

Muitos líderes da indústria estão finalmente a reconhecer a necessidade de mudar e a expressar vontade de fazê-lo. Eles sabem que se não se prepararem para a interrupção de toda a indústria, com a reconsideração das suas operações, podem ficar para trás naquela que pode vir a ser a próxima grande história mundial de produtividade.