A derradeira oportunidade da democracia egípcia?

CAIRO – As próximas eleições legislativas no Egipto poderiam ajudar a consolidar a democracia emergente do país e a dar legitimidade aos esforços do governo para abordar os desafios sociais, políticos, económicos e de segurança que o país enfrenta. Mas nenhuma eleição, por muito bem orientada que seja, será suficiente: A menos que o Egipto vença a sua actual polarização política e construa um consenso geral que inclua partidos islâmicos e a oposição secular no poder, os seus problemas irão persistir, comprometendo a perspectiva de um futuro democrático.

A falta de instituições democráticas fortes e a crise económica que decorre no Egipto estão a alimentar a agitação e a crise sociais, a divisão e a hostilidade no seio do sistema político. Ao mesmo tempo, as forças policiais e de segurança com formação insuficiente e inadequadamente supervisionadas tornaram-se alvos da ira pública; a segurança do Egipto pode entrar em colapso.

Neste contexto, a proposta do Presidente egípcio, Mohamed Morsi, para realizar eleições nos próximos meses deveria ser bem-vinda. Na verdade, a proposta é apoiada pela maioria dos partidos que obtiveram bons resultados na última vez - altura em que ocorreram as primeiras eleições livres do país após a destituição do ex-Presidente Hosni Mubarak, em 2011. Mas, citando preocupações de que as eleições não serão livres e justas, o partido da oposição Frente de Salvação Nacional (FSN) - constituído em grande parte por partidos seculares que obtiveram maus resultados nas últimas eleições - ameaçou um boicote.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/97MT4DF/pt;